Qual maneira você usa para acompanhar nosso blog:

Você se lembra delas?!

Você se lembra delas?!
Confira nossas atividades de catequese!

Qui munitim eu fiz a tempos atrás!

Qui munitim eu fiz a tempos atrás!
Clique na imagem para ver melhor!

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Campanha da Fraternidade 2015





Fraternidade, Igreja e Sociedade 

A Campanha da Fraternidade deste ano de 2015 vem lembrar a importância do serviço com o lema tirado das palavras de Cristo: “Eu vim para servir” (Mc 10,45). O tema é este: “Fraternidade, Igreja e Sociedade”. Uma Igreja a serviço de uma sociedade mais humana, mais justa, menos desigual. Jesus preceituou aos seus seguidores: “O que for maior entre vós, será vosso servo” (Mt 23,11). Em toda e qualquer atividade o ser humano está, quer queira quer não, servindo seu semelhante. Quando, porém, no outro se contempla o Mestre divino tudo tem um valor transcendente e motiva a um serviço realizado com competência e total eficiência. O serviço prestado na ótica cristã é a expressão concreta do amor. É o que queria dizer o Apóstolo Paulo ao declarar: “Pela caridade colocai-vos a serviço uns dos outros” (Gl 5,13). Trata-se da caridade, da fraternidade que são características da Igreja, sinais visíveis da dileção divina encarnada no Redentor imolado pela humanidade. Este serviço se expressa na humildade e na obediência ao desígnio de Deus, “porque somos obra sua, criados em Jesus Cristo para fazer boas obras” (Fl 2, 16).

Isto, na verdade, com total disponibilidade que chega até a imolação, como o fez Cristo “que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para redenção de muitos” (Mt 20,28). Além do mais, cumpre o compartilhamento do júbilo, da dor, das exigências e das aspirações de toda pessoa, como Paulo ensinou aos romanos e coríntios (Rm 12,15; 1 Cor 9, 19-23). Esta doutrina foi inclusive recordada pelo Concílio Ecumênico na Gaudium et Spes, mostrando que “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de nosso tempo, sobretudo dos pobres e dos que sofrem, são simultaneamente as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo. Nada há de verdadeiramente humano que não encontre eco em seu coração” (GS 1).

São os muitos aspectos do serviço universal dos cristãos, sinal sacramental do batismo. É que o Messias já havia sido anunciado no Antigo Testamento como o servo de Iahweh e dos homens (Is 52,13; 53,12) e o cristão é outro Cristo. Dentro desta teologia do serviço não se pode esquecer um aspecto salientado pela Igreja Oriental, isto é, tudo que foi criado está a serviço do ser racional. O mundo reflete a sabedoria divina e deve ser um grande espetáculo para elevar a alma até o Criador, guiando a mente humana para o Invisível por meio das coisas visíveis num cosmos que patenteia a Sabedoria divina. Todas as plantas, as montanhas, os rios, os mares, as flores, as pedras, os vales, o ar, tudo, está a serviço do homem. Exemplo magnífico que flui da natureza na qual tudo também é préstimo. Deste modo há uma total espiritualização do serviço que deixa de ser considerado como uma atividade humana de mero assistencialismo, mas o cerne mesmo de toda ação que se torna ocasião para o testemunho de uma doação completa, visando uma sociedade verdadeiramente cristã.

É que o serviço cristão é uma participação concreta da benevolência de Cristo, possuindo eficácia salvífica e promocional para o outro e para a comunidade. Busca afetuosa das indigências concretas e sempre novas das pessoas e da sociedade na qual cada um está inserido com tarefas específicas, mas indispensáveis para o bem comum. Daí a importância capital dos estudantes de qualquer nível ou profissão, pois estão num estágio de preparação para bem poder servir como profissionais aptos ao progresso de todos. O fundamento desta realidade é que o verdadeiro dom do serviço é a necessidade alheia. Todo e qualquer obséquio visa intrinsecamente a promoção do semelhante e abrange o trabalho de cada um a cada instante. A pluralidade dos carismas outorgados pelo Espírito Santo faz, porém, com que se multipliquem os serviços, sobretudo no que tange a ajuda pastoral nas múltiplas atividades eclesiais, nas obras de misericórdia quer pessoais, quer organizadas, com as quais os batizados, imitando o samaritano (Lc 10,29-37) do Evangelho, se voltam sobre as pessoas feridas, excluídas, massacradas, levando-lhes socorro e ajuda oportunos. Lição, importantíssima, portanto, a que legou Jesus a seus epígonos, lembrando a todos este ano através do hino da Campanha da Fraternidade deste: “Quero uma igreja solidária / servidora e missionária/que anuncia e saiba ouvir/ a lutar por dignidade/ por justiça e igualdade/ pois “eu vim para servir”. Saibamos corresponder a esta sua sublime mensagem e estaremos construindo um mundo melhor.

Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho
Professor do Seminário de Mariana durante 40 anos.

Fonte: Portal Kairós. 

Material da Campanha da Fraternidade 2015 - Fonte CNBB 

Texto base da CF 2015; 

Hino da CF 2015; 

Hino da CF 2015 - partitura; 

Oração da CF 2015; 

Baixar Cartaz da CF 2015 - Alta resolução; 

Leitura do Cartaz da CF 2015;


Nossa atividades de catequese estão disponíveis desde o dia 15 de fevereiro, clique AQUI para conhecer nossas "Sementes da fé!" para a Campanha da Fraternidade 2015!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi! Seja bem vindo (a) ao nosso cantinho de comentários!