sábado, 9 de dezembro de 2017

Atividades de Catequese: 3º Domingo do Advento ano B 2017/18

Nesse Evangelho transcrito por São João (Jo. 1,6-8.19-28) podemos ouvir um relato mais detalhado de quem era São João Batista e qual era a sua missão.

O mais lindo é testemunharmos que o próprio João Batista sabia da importância da sua missão e em momento algum tentou ser mais que o Messias. E olhem que oportunidade para isso não lhe faltou.

Essa é a verdadeira atitude dos servidores de Deus; daqueles que sabem da importância da sua missão e não querem ser mais do que Deus quis que fossem. Os grandes santos aprenderam essa lição e nos ensinaram também para que soubéssemos o quanto é possível chegarmos lá no céu e vivermos entre eles.

Precisamos "aplainar o caminho" para a grande vinda do Messias; precisamos preparas nosso coração ouvindo e pondo em prática a Palavra do Senhor, para a chegada segunda vinda do Jesus. Por isso continuo a minha missão, publicando semanalmente as atividades de catequese, que são pequenas "Sementes da fé!" através de nosso blog e assim esperando o dia em que Jesus virá me buscar.

Mas eu não quero ir sozinho, quero que todos vocês venham junto comigo, por isso rezo a Deus para que um dia essas atividades de catequese lhes sejam úteis.

Agora eu te peço: Antes de você imprimir nossas "Sementes da fé!" gostaria que você lesse primeiro o nosso termo de uso, clicando AQUI. Desde já agradeço!



1. Se você quiser saber como faz para imprimir esta atividade, é só clicar AQUI!

2. Se quiser saber como faço para configurá-las desta forma para exibir no meu blog é só clicar AQUI!


Fiquem com Deus e até a próxima atividade de catequese com mais uma das nossas "Sementes da fé!”. E que Deus abençoe mais este ano litúrgico que ficaremos juntos evangelizando!

domingo, 3 de dezembro de 2017

Atividades de Catequese: Imaculada Conceição de Maria ano B 2017/18

É triste ver um filho renegar a própria mãe! É triste ver um filho humilhar a própria mãe não dando o devido e mais que merecido valor que ela tem!... Quando falo isso me refiro a algumas denominações protestantes que tratam a Mãe de Deus de forma que eles próprios não tratariam o pior dos seres humanos. Digo algumas, porque existem protestantes que mesmo não aceitando a divindade de Maria, tem um certo respeito ao menos por ela ser a Mãe do Salvador.

Mas o mais triste é ver os próprios católicos não tento esse respeito por ela!

O Dogma da Imaculada Conceição de Maria é uma das inúmeras provas que a Igreja Católica nos mostra para expressar publicamente o nosso amor pela Virgem Maria, que nasceu sim sem a mancha do pecado original e viveu toda a sua vida aqui na terra sem nunca pecar; nos ensinando o caminho da humildade e da servidão para as coisas de Deus.

Exemplo mais claro podemos encontrar no Evangelho (Lc. 1,26-38) que a Liturgia nos reserva para esse dia tão especial e que ilustra nossa atividade de catequese. Maria que em sua profunda humildade saiu para servir sua parenta Isabel, mesmo ela própria estando grávida do Salvador! Ela fez o que o próprio Jesus fará anos depois ao procurar João Batista para ser batizado nas águas do rio Jorão.

É lindo saber que Deus quis que tivéssemos uma mãe, e que nós a honrássemos como tal! Por isso espero que essa singela atividade de catequese lhe seja útil algum dia.

Agora eu te peço: Antes de você imprimir nossas "Sementes da fé!" gostaria que você lesse primeiro o nosso termo de uso, clicando AQUI. Desde já agradeço!



1. Se você quiser saber como faz para imprimir esta atividade, é só clicar AQUI!

2. Se quiser saber como faço para configurá-las desta forma para exibir no meu blog é só clicar AQUI!

Fiquem com Deus e até a próxima atividade de catequese com mais uma das nossas "Sementes da fé!”. E que Deus abençoe mais este ano litúrgico que ficaremos juntos evangelizando!

Atividades de Catequese: 2º Domingo do Advento ano B 2017/18

Como foi linda a missão de João Batista, não é verdade?!... Ele que foi preparado por Deus desde antes do seu nascimento, ao exemplo das palavras do profeta Jeremias (Jr. 1,5) e que cumpriu sua missão fielmente preparando o povo de Deus para a chegada do Messias.

No Evangelho de São Marcos (Mc. 1,1-8) podemos ouvir as palavras de Jesus falando de seu grande amigo e primo João Batista, que era extremamente humilde e sabia qual era a sua missão e o que deveria fazer após a vinda do Messias.

Eu também sei qual é a minha missão, e assim como João Batista só quero apresentar a Jesus a cada um de vocês. Por isso publico com tanto carinho essas atividades de catequese, semeando a fé nos corações de todos os meus irmãos e irmãs em Cristo que tem contato com elas.

Espero que você goste desse singelo trabalho.

Agora eu te peço: Antes de você imprimir nossas "Sementes da fé!" gostaria que você lesse primeiro o nosso termo de uso, clicando AQUI. Desde já agradeço!



1. Se você quiser saber como faz para imprimir esta atividade, é só clicar AQUI!

2. Se quiser saber como faço para configurá-las desta forma para exibir no meu blog é só clicar AQUI!


Fiquem com Deus e até a próxima atividade de catequese com mais uma das nossas "Sementes da fé!”. E que Deus abençoe mais este ano litúrgico que ficaremos juntos evangelizando!

domingo, 26 de novembro de 2017

Atividades de Catequese: 1º Domingo do Advento ano B 2017/18

O Advento é um tempo de recomeço, de revermos nossos propósitos de vida e buscarmos o que realmente importa, que é a comunhão com Deus. Em outras palavras, o Advento é a nossa Estrela de Belém que nos guia rumo ao nosso Rei, ao qual celebraremos seu nascimento no dia de Natal.

Por isso a Liturgia da Igreja Católica nos trás nesse período de penitência lindos textos para nos ajudar a refletir sobre quem é Jesus e qual foi a importância de sua vinda para nos salvar. E esses textos vêem a anos inspirando nossas “Sementes da fé!” com lindas atividades de catequese.

Nesse Primeiro Domingo do Advento por exemplo, podemos ouvir o relato de Jesus, e transcrito por São Marcos (Mc. 13,33-37) nos avisando que não sabemos quando “chegará o momento” da segunda vinda do Salvador através de uma singela comparação com um homem que viaja e vai para o estrangeiro e pede que seus empregados tomem conta de seus bens. Nos alertando ainda sobre a importância de vigiarmos para não sermos surpreendidos com a volta do patrão, que na verdade é Jesus.

Assim como os discípulos de Jesus eu também quero estar preparado, e quero que todos vocês também estejam preparados para esse grande momento. Por isso eu publico essa singela atividade de catequese, para ajudar na formação de nossos catequizandos; e por consequência ajuda-los também a se preparar.

Agora eu te peço: Antes de você imprimir nossas "Sementes da fé!" gostaria que você lesse primeiro o nosso termo de uso, clicando AQUI. Desde já agradeço!



1. Se você quiser saber como faz para imprimir esta atividade, é só clicar AQUI!

2. Se quiser saber como faço para configurá-las desta forma para exibir no meu blog é só clicar AQUI!


Fiquem com Deus e até a próxima atividade de catequese com mais uma das nossas "Sementes da fé!”. E que Deus abençoe mais este ano litúrgico que ficaremos juntos evangelizando!

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

5º ano do Blog!

Como esse ano de 2017 foi difícil para todos nós brasileiros não é verdade?!... E como foi importante mantermos a fé e permanecermos vigilantes na oração, como nos diz São Pedro em uma de suas cartas (1Pd. 5,8). Porque só com muita fé em Deus é que conseguimos atravessar os obstáculos que a vida e o mundo nos impõe.

Eu sempre me surpreendo com os desígnios de Deus sobre a minha vida, e como Ele me inspira a continuar a minha caminhada mesmo diante de tanta tribulação e provação. O tema de nosso Blog nesse ano de 2017 (Mt. 6,24-34) foi perfeito, pois mais do que nunca, aprendi o valor da confiança em Deus e recebi meu prêmio mais que merecido de Sua mãos misericordiosas. E o mais belo é que mesmo eu tão indigno e vivendo em uma situação tão indigna, ainda sim fui abençoado por Deus que me mostrou que me ama tanto.

E espero que no próximo ano, vivendo o sexto ano de nosso blog eu consiga junto com Deus levar a Sua mensagem aos corações mais distantes e ajudar a todos que são amados por Deus a responder uma importante pergunta: ""E vós, quem dizeis que eu sou?".

Como de costume deixo aqui uma foto de como foi o visual do nosso blog nesse último ano, junto com nosso bolo de aniversário virutal, para guardarmos de recordação! E aproveito para lhes apresentar o novo visual com a nova temática baseada no Evangelho de São Marcos.



Peço a vocês que me coloquem em suas orações para que Deus continue me ajudando a levar essa missão até quando Ele assim o desejar.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Ano Nacional do Laicato



Após as comemorações do Ano Nacional Mariano, instituído pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Igreja no Brasil se prepara agora para celebrar a abertura do Ano do Laicato no próximo dia 26 de novembro. Com o tema “Cristãos Leigos e Leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema “Sal da Terra e Luz do Mundo”, a iniciativa de acordo com o papa Francisco, deseja fazer crescer “a consciência da identidade e da missão dos leigos na igreja”.

“O Ano do Laicato nos empolga e fomenta em nós uma feliz e agradável expectativa, para juntos escutarmos o que diz o Espírito Santo aos nossos corações e assumirmos a ação transformadora na Igreja e no mundo. A obra é de Deus e de todos nós”, afirma o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato da CNBB, dom Severino Clasen.

O bispo espera que no Ano do Laicato, a partir de cada reflexão, os leigos possam ouvir Jesus Cristo os chamando e os enviando para serem sal, luz e fermento na massa. “Vamos todos, através da oração e meditação da Palavra de Deus, de olhos abertos para a realidade onde vivemos, transformar as injustiças em relações de paz e amor”, exorta.


Laudelino Augusto dos Santos Azevedo, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato
Para o bom êxito do Ano Nacional do Laicato, que seguirá até o dia 25 de novembro de 2018, o assessor da Comissão para o Laicato, Laudelino Augusto dos Santos Azevedo aponta que é preciso em primeiro lugar a abertura do coração, presença e participação de todos. “É participando que a gente vai adquirir conhecimentos, experiências, vai entender melhor a nossa identidade como cristão leigo e leiga, a nossa vocação, espiritualidade e missão”, garante.

Laudelino faz ainda um apelo para que todos contribuam com o sucesso do Ano do Laicato: “Você aí que é cristão leigo e leiga ou você que tenha algum ministério na igreja mesmo não sendo ordenado, religioso ou religiosa, diácono, bispo ou presbítero você pode com a sua presença, com a sua participação, levar o bom êxito para o Ano Nacional do Laicato.

Subsídios – Para vivenciar a proposta do Ano, a Comissão Especial para o Ano do Laicato preparou alguns subsídios que contém orientações metodológicas para as comunidades. Um deles é composto por orientações para os grupos de reflexões e o outro por propostas de celebração.


Pietra da Silva, secretária da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato
De acordo com a secretária da Comissão para o Laicato, Pietra da Silva os membros da Comissão Especial para o Ano do Laicato estão muito felizes com a procura do material pelas dioceses e paróquias. “A gente recebe muitos e-mails e telefonemas; todo mundo solicitando o material e é aí que a gente percebe que o Ano do Laicato está acontecendo e está acontecendo em todos os regionais e em todas as dioceses”, afirma.

Para ela, ter esse contato com o material é um momento também de aprendizado. “A partir do material que estamos produzindo, vamos aprendendo sobre qual é o nosso papel dentro da Igreja, dentro do mundo em que vivemos e também vamos passando isso para as pessoas que estão à nossa volta e as pessoas com as quais convivemos”, afirma.

Além dos roteiros para as comunidades, a Comissão disponibilizou também o cartaz oficial do Ano do Laicato, além de banners. Os materiais podem ser adquiridos no site da editora da CNBB – Edições CNBB.

Fonte: CNBB.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Apresentação de Nossa Senhora

A memória da Apresentação de Nossa Senhora no Templo

Após o Concílio Vaticano II, a Igreja reformulou seu calendário litúrgico, surgindo então uma coleção de 'Missas da Virgem Santa Maria', como Apêndice ao Missal Romano. Dentre as festividades marianas do calendário está a memória obrigatória da Apresentação de Nossa Senhora no Templo, comemorada no dia 21 de novembro. No que se refere ao culto mariano, o Concílio dedicou um capítulo especial exortando todos os fiéis ao culto à Virgem Maria, de maneira essencialmente litúrgico (Lumen Gentium, 67), ou seja, associado à celebração das festas litúrgicas.

O Concílio destacou o lugar da Mãe de Deus na Liturgia da Igreja na celebração do ciclo anual dos mistérios de Cristo: “a santa Igreja venera com especial amor, porque indissoluvelmente unida à obra de salvação do seu Filho, a Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus, em quem vê e exalta o mais excelso fruto da Redenção, em quem contempla, qual imagem puríssima, o que ela, toda ela, com alegria deseja e espera ser.” (SC 103)¹

História

Esta celebração antiga iniciou-se no século VI, em Jerusalém, quando da construção de uma igreja em homenagem a este mistério. A Igreja do Oriente, acolheu e conservou zelosamente as tradicionais festas marianas, reservando à apresentação de Maria uma memória particular, como um dos mistérios da vida daquela que Deus escolheu para Mãe de seu Filho Unigênito. A partir do século XVI, tornou-se uma festa da Igreja Católica do mundo inteiro.

Como o nascimento da Virgem Maria, este episódio não é narrado nas Sagradas Escrituras, mas em evangelhos apócrifos, em particular no Proto-evangelho de São Tiago. De acordo com os relatos, os pais da Virgem Maria, Joaquim e Ana, que não podiam ter filhos, receberam uma mensagem de que teriam um filho. Como agradecimento pela graça da filha que lhes veio, eles a levaram ainda pequena para o Templo em Jerusalém para consagrá-la a Deus. Versões posteriores da história (como no Evangelho de Pseudo-Mateus e no Evangelho da Natividade de Maria²) nos contam que Maria foi levada para o Templo com cerca de três anos de idade para cumprir uma promessa. A tradição conta que ela permaneceu ali para se preparar para o seu futuro papel como Mãe de Deus (Theotokos em grego).

Celebração litúrgica

Na Liturgia das Horas, lê-se: “Neste dia da solene consagração da igreja de Santa Maria Nova, construída junto ao templo de Jerusalém, celebramos com os cristãos do Oriente aquela consagração que Maria fez a Deus de si mesma desde a infância, movida pelo Espírito Santo, de cuja graça ficará plena na sua imaculada conceição”.³

Portanto, a apresentação de Maria tem um importante propósito teológico: continua o impacto das festas da Imaculada Conceição e do nascimento de Maria. Ele enfatiza que a santidade conferida a Maria foi desde o início de sua vida na Terra e continuou pela sua infância. Disse São Germano de Constantinopla na homilia sobre a Apresentação: Esta menininha prepara o aposento para acolher a Deus, “mas não é o templo que a santifica e purifica, e sim a sua presença que purifica inteiramente o templo”.

Para a Igreja Católica, no dia da Apresentação de Maria, “celebramos a dedicação de si própria que Maria fez a Deus desde a sua tenra infância sob a inspiração do Espírito Santo, que preencheu-a com sua graça…”. O papa Paulo VI, em sua encíclica de 1974, Marialis Cultus, escreveu que “apesar de seu conteúdo apócrifo, [a história da Apresentação] apresenta elevados e exemplares valores e avança veneráveis tradições de origem nas igrejas orientais”.

As três festas do Nascimento, Santo Nome de Maria e a Apresentação no Templo correspondem com as três primeiras festas do ciclo de Jesus, o Nascimento de Jesus (Natal), o Santo Nome de Jesus e a Apresentação de Jesus no Templo.

O dia 21 de novembro é também um dia Pro Orantibus, um dia de oração para as freiras enclausuradas “totalmente dedicadas a Deus em oração, silêncio e retiro”.

Foi no dia 21 de novembro de 1964 que o Papa Paulo VI, na clausura da 3ª Sessão do Concílio Vaticano II, consagrou o mundo ao Coração de Maria e declarou Nossa Senhora Mãe da Igreja.

No Brasil

A escritora Nilza Botelho Megale, no seu livro intitulado 'Cento e Sete Invocações da Virgem Maria no Brasil', publicado pela Editora Vozes, Petrópolis, 1980, afirma que no Brasil, a primeira Paróquia dedicada a esta invocação, foi a de Natal, no Rio Grande do Norte, fundada em 1599. Segundo o historiador Luís da Câmara Cascudo: “Na capela-mor daquela matriz se colocou pouco depois um grande e famoso quadro de pintura, em que se vê o mesmo mistério da Senhora historiado…A sua festividade se lhe celebra em 21 de novembro, que é o dia em que a Senhora foi oferecida ao Senhor da Glória”.

A cidade de Porto Calvo, em Alagoas, campo de diversas batalhas entre brasileiros e tropas invasoras durante a guerra holandesa, tem também como padroeira a Nossa Senhora da Apresentação.

No Rio de Janeiro, Bairro de Irajá, em 1613 foi construída uma capelinha. Só em 1644 se instituiu a Paróquia de Nossa Senhora da Apresentação de Irajá. A Matriz foi confirmada por Alvará de D. João IV em 10 de fevereiro de 1647. A capela é uma das jóias da arquitetura religiosa do Rio de Janeiro e a segunda mais antiga da municipalidade.

Na arte

As representações ocidentais geralmente se concentram na figura sozinha da jovem Maria subindo os degraus do Templo, tendo deixado para trás os pais e subindo na direção do sumo sacerdote e de outras pessoas no Templo. O tema também é uma das cenas habituais nos ciclos maiores sobre a Vida da Virgem, embora ele não seja geralmente uma das cenas mostradas nos livros de horas.

Fonte: Portal A12.