Veja que legal!

Veja que legal!
Clica na imagem, vai! Clicaaaaa! kkk

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Equipes de Liturgia – Parte 4

Já vou logo dizendo:

Aqui nesta publicação eu não vou falar nada, porque não tenho conhecimento para opinar no assunto, mas posso dizer que pelo que li nesta formação é o que os Ministérios de música fazem na minha Paróquia!

Então, vamos à quarta parte da nossa formação! 

------------------------------------------------------- 

COMO A EQUIPE PREPARA UMA MISSA?

3. Os serviços de Cânticos Litúrgicos (Continuação do item “Quais seriam as atribuições da equipe de cânticos?”)

No Deus Conosco Dia a Dia de janeiro/2013 estávamos vendo como a Equipe Litúrgica pode lidar com os serviços de Cânticos na Liturgia. Dentro das atribuições de uma equipe de música, comentando o tem “Promover o canto como oração e como modo de participação.

Continuando:

B. Seguir critérios litúrgicos na escolhida dos cânticos: Não há duvida de que se canta basicamente em nossas celebrações, mas não são muitas as comunidades que conscientemente, procuram cantar o que se está celebrando.

É preciso saber distinguir entre cânticos litúrgicos e cânticos piedosos. Há cantos piedosos que são litúrgicos, mas nem todo hino religioso pode ser apropriado para ser cantado numa celebração litúrgica. Como escolher, então, os cânticos mais apropriados para uma celebração?

Já vimos que o cântico é parte integrante da celebração litúrgica. Os cânticos são orações, são meditações, são manifestações do que se vive, do que se pensa, do que se fala. Por isso não é qualquer tipo de cântico, por mais bonito que seja, que pode ser usado em uma celebração litúrgica.

Ao escolher os cânticos, devemos ter bem claro:

* Cânticos para qual celebração? Solenidade de Natal? Festa da Assunção de Maria? XIII Domingo do Ano Comum? Comemoração de São João Maria Vianey? É tempo de Quaresma? (Penitência). É tempo Pascal? (Alegria e exultação).

* Cântico para que parte da celebração? No início? (Entrada?) No Ato Penitencial? Para a aspersão de água benta? Hino do Glória? No Acolhimento da Palavra? Como Salmo responsorial? Na aclamação ao Evangelho? No Credo? No Ofertório? Hino ao Deus Santo? Na hora do Pai-Nosso? No momento da Comunhão? Na ação de graças? Ao término da celebração?

Cânticos existem muitos, mas nem todos são apropriados para a celebração que vai acontecer. Se você tem um cântico apropriado que é próprio para o tempo pascal, é preciso saber em que parte da celebração ele servirá. Não podemos inserir um cântico de ofertório para ser cantado na hora da comunhão.

As partes fixas da Missa, quando cantadas, devem seguir, de preferência, o texto oficial que está no Missal (Ato Penitencial, Glória, Profissão de Fé, Santo e Cordeiro.).

Além disso, o cântico litúrgico não é somente uma pequena mensagem, por mais poética que seja. É uma oração. A letra do cântico deve estar dirigida a Deus Pai, por Cristo, no Espírito Santo. Deve louvar, adorar, agradecer, pedir perdão, suplicar graças, manifestar confiança.

Existe muita gente de boa vontade, que tenta fazer o melhor possível para cuidar dos cânticos numa comunidade. Às vezes, sem ter a devida formação, fazem o que é possível. São pessoas generosas, sem dúvida. Mas o ideal é que tenham mais conhecimentos para poderem agir conforme os critérios da Igreja.

Para ajudar as comunidades, a CNBB organizou um Hinário Litúrgico, válido para todo o Brasil. Um grupo de pessoas com bastante experiência no ramo foi constituído para pesquisar e selecionar o que havia de mais significativo em termos de caniços litúrgicos. Depois de um período de intenso trabalho, foi publicado esse Hinário, em meados de 1985. Neste Hinário encontramos as indicações e os textos dos cânticos para as principais celebrações do ano: Advento, Natal, Quaresma, Semana Santa, Páscoa, Tempo Comum, Solenidades, Festas e até partes do Ordinário da Missa.

Depois de pronto o Hinário, vários CDs foram gravados para servirem de auxílio a todas as Comunidades interessadas. Isso facilita as escolhas, os ensaios e a necessária preparação das comunidades para bem conduzirem as celebrações, tornando a Liturgia mais bela e participativa.

Os Cânticos do Hinário, é certo, não agradam a todos, embora a seleção tenha sido feita em cima de critérios relevantes: cânticos preferencialmente com textos baseados na Bíblia; cânticos populares que já foram experimentados, ou seja, já fazem parte do repertório de grande parte das comunidades; cânticos representativos das várias regiões do Brasil, com sua variedade de ritmos e outras características.

Vamos tentar colocar algumas indicativas para os cânticos.

1. Cântico Inicial: A finalidade desse cântico é abrir a celebração, promover a união da assembleia, introduzir no mistério do tempo litúrgico ou da festa e acompanhar a procissão do sacerdote e dos ministros.

2. Salmo responsorial: Os cânticos do salmo deve favorecer a meditação. É um modo de aprofundar o texto da Palavra de Deus que acabou de ser linda. As estrofes, de acordo com o Lecionário, serão cantadas pelo salmista, mas espera-se que toda a assembleia cante o refrão.

3. Aclamação ao Evangelho: Através do cântico de aclamação a assembleia acolhe o Senhor que lhe vai falar no Evangelho. O Aleluia é cantado em todo o tempo, exceto na Quaresma e no Advento. Um versículo ligado ao texto que vai ser lido é cantado entre os Aleluias.

(Continuaremos o assunto no próximo número.)

Clodoaldo Montoro
Publicado na Liturgia Diária “Deus Conosco” do mês de fevereiro de 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi! Seja bem vindo (a) ao nosso cantinho de comentários!